Research Blog

MAXQDA Website

Duas visões sobre adoção de crianças e adolescentes: netnografia com apoio do MAXQDA

O estudo sobre a institucionalização de crianças e adolescentes, bem como seus desfechos, tem me acompanhado desde a condução do meu mestrado em psicologia pela Universidade Federal da Bahia. Atualmente, tenho me voltado ao processo de adoção, tomando como base o formato brasileiro, porém sem desconsiderar sua construção histórica muitas vezes compartilhada em diversas sociedades.

Um dos campos relevantes para a psicologia se refere à compreensão social acerca da adoção. A partir desse estudo, é possível entender a manutenção de estereótipos e até analisar em que discursos se sustentam as políticas públicas que envolvem a adoção de crianças e adolescentes!

Neste relato, pretendo descrever como o MAXQDA auxiliou a pesquisa acerca de visões sobre adoção no ambiente virtual do Youtube®. Demonstrarei o processo de busca e o uso dos recursos de visualização e análise.

Visões acerca da adoção

Basicamente, divide-se a adoção em duas perspectivas, considerando discursos jurídicos, sociais e do senso comum. A adoção clássica se refere à adoção como instrumento de satisfação de necessidades de uma família que, por alguma razão, deseja ter uma criança: esterilidade, perda de uma criança, desejo de completar um casamento, dentre outras. Já na visão moderna, a adoção é entendida como uma estratégia de garantia de direitos a uma criança que não possui família e, em geral, se encontra em situação de institucionalização.

Diversos autores têm questionado os efeitos dessas visões nas práticas executadas nas instituições que atuam com os direitos das crianças e adolescentes, tornando cada vez mais importante compreender como os posicionamentos se sustentam e propagam na sociedade (Jacinto & Dazzani, 2020; Nakamura, 2019).

1 – Processo de coleta: selecionando e importando os comentários de vídeos

O objetivo deste estudo foi identificar os posicionamentos de internautas consumidores de conteúdo sobre a prática da adoção disponibilizados no YouTube no que se refere a uma visão de adoção clássica e/ou adoção moderna. Para tanto, partiu-se do método netnográfico, que busca aplicar princípios da etnografia no contexto virtual (Kozinets, 2014). Foram analisados os comentários de usuários do YouTube em vídeos sobre adoção.

Foram adotados os seguintes critérios para inclusão para seleção dos vídeos: ter como tema principal a adoção, estar em formato público, possuir mais de 1000 visualizações, ter sido publicado entre abril e outubro de 2020, apresentar conteúdo jornalístico ou educativo sobre adoção. Foram excluídos: vídeos cujos autores apresentavam como centralidade da narrativa suas experiências pessoais com a adoção, materiais não referentes à realidade brasileira, com cunho religioso, voltados ao público infantil, vídeos voltados a concursos públicos e aqueles voltados exclusivamente a entretenimento/humor.

O MAXQDA auxilia bastante na coleta dos comentários dos vídeos. Na aba Importar, selecionei a opção “Dados do Youtube”. A partir daí, basta acrescentar o link do vídeo escolhido.

Janela de importação de vídeosFigura 1 – Janela de importação de vídeos (Fonte: o autor, extraído do MAXQDA (VERBI Software, 2019))

O MAXQDA favorece a organização dos dados. Na janela de documentos, acrescenta um novo grupo para cada vídeo, tendo como conteúdo o vídeo e possíveis legendas. Na janela principal, o material coletado é exibido em formato de tabela. Como em qualquer tabela no software, é possível ocultar colunas desnecessárias e reexibi-las quando o pesquisador precisar.

Tabela de comentáriosFigura 2 – Tabela de comentários (Fonte: o autor, extraído do MAXQDA (VERBI Software, 2019))

2 – Codificação e categorização: preparando os dados para tratamento

Com auxílio do software MAXQDA, foi realizada a captura dos comentários dos vídeos selecionados e posterior categorização. A categorização foi realizada a partir da leitura de todos os comentários dos vídeos selecionados, sendo formados códigos relacionados a adoção clássica e adoção moderna. Foram marcados como subcódigos relacionados à adoção clássica comentários que se referiam a esse processo a partir de posicionamentos centrados nas famílias, pondo as crianças adotivas como figuras secundárias que estariam satisfazendo necessidades dos postulantes à adoção. Foram gerados subcódigos para adoção moderna, sendo aqueles comentários centrados na criança que entendendo suas necessidades a prioridade no processo adotivo. Paralelo a isso, foi organizado um diário de campo com impressões do pesquisador e reflexões teóricas que surgiam ao longo da entrada no campo.

A codificação envolveu a pesquisa lexical e autocodificação para buscar palavras comumente associadas às categorias, como: sonho, caridade, direito, dentre outras.

Janela de pesquisa lexicalFigura 3 – Janela de pesquisa lexical (Fonte: o autor, extraído do MAXQDA (VERBI Software, 2019))

O recurso de lematização foi ideal, pois ampliou a busca para além da palavra exata, considerando outras derivadas do seu radical.

Resultado de pesquisa lexical com lematizaçãoFigura 4 – Resultado de pesquisa lexical com lematização (Fonte: o autor, extraído do MAXQDA (VERBI Software, 2019))

A leitura integral dos comentários foi realizada, acompanhada da codificação manual. Escolhi sempre codificar todo o comentário e não apenas o trecho. Isso foi importante para identificar um mesmo sujeito trazendo distintas posturas e auxiliou na utilização dos recursos de análise, ao evidenciar sobreposições e proximidades de códigos.

Como dito, tomando “adoção clássica” e “adoção moderna” como códigos principais, criei subcódigos que refletiam mais especificamente as posições dos usuários nos comentários codificados. Quando a posição era ambígua, eu criava códigos à parte que seriam refinados posteriormente.

Lista de códigosFigura 5 – Lista de códigos (Fonte: o autor, extraído do MAXQDA (VERBI Software, 2019))

Após finalizar a codificação, foi utilizado o recurso de codificação criativa de modo a observar com precisão cada código, mesclar e estabelecer conexões necessárias. Por exemplo, foi necessário mesclar os códigos “caridade” e “filantropia”, pois em análise posterior acabei identificando que seus conteúdos se assemelhavam.

Janela de codificação criativaFigura 6 – Janela de codificação criativa (Fonte: o autor, extraído do MAXQDA (VERBI Software, 2019))

3 – Análise: aproveitando ao máximo as ferramentas do MAXQDA na visualização privilegiada dos dados

A análise dos dados envolveu:

  1. Leitura da lista de codificações.

Foram selecionados todos os documentos e, posteriormente, os códigos relacionados à adoção clássica e adoção moderna.

  1. Formação de nuvens de palavras.

As nuvens de palavras foram formadas com os segmentos codificados, para evitar poluição com materiais oriundos de comentários que não foram relevantes para a pesquisa.

Lista de codificações e recurso de nuvem de palavrasFigura 7 – Lista de codificações e recurso de nuvem de palavras (Fonte: o autor, extraído do MAXQDA (VERBI Software, 2019))

  1. Formação de retrato de documento

Esse recurso permitiu observar, vídeo a vídeo, qual visão acerca da adoção predominava.

Retrato de documento: azul = adoção clássica;  vermelho = adoção modernaFigura 8 – Retrato de documento: azul = adoção clássica;  vermelho = adoção moderna (Fonte: o autor, extraído do MAXQDA (VERBI Software, 2019))

  1. Consulta complexa de codificação

Através do menu Análise > Consulta complexa de codificação, foi possível perceber a relação entre segmentos codificados. Por exemplo, realizei a busca por proximidade, interseção e sobreposição de modo a observar quando um mesmo respondente apresentava mais de uma visão relacionada à adoção, revelando uma complexidade em seu posicionamento.

  1. Frequência de códigos

O menu Análise > Frequência de códigos permitiu lançar um olhar quantitativo aos dados, pois favoreceu a visualização da distribuição de cada código pelos documentos. É importante destacar que essa ferramenta pode realizar os cálculos com um único documento ou com todos os ativados. Outra vantagem da ferramenta é analisar, por exemplo, a distribuição de códigos por documento ou contabilizar seu uso ao observar os segmentos codificados.

Frequência de códigos: Adoção clássicaFigura 9 – Frequência de códigos: Adoção clássica (Fonte: o autor, extraído do MAXQDA (VERBI Software, 2019))

Frequência de códigos: Adoção modernaFigura 10 – Frequência de códigos: Adoção moderna (Fonte: o autor, extraído do MAXQDA (VERBI Software, 2019))

Observação: Nesse caso, optei por não utilizar o recurso de resumos, pois os vídeos eram variados e nem todos seguiam o mesmo padrão de respostas. Ademais, por serem muitos códigos com grande dispersão entre os documentos, julguei que essa comparação por meio de resumos não seria ideal.

 

4 – Resultados: o que a pesquisa no Youtube nos revelou acerca das visões sobre adoção?

A Tabela 1 apresenta de modo sintético a codificação considerada, atribuindo-o cada subcategoria ao critério de adoção clássica ou moderna. A ocorrência se refere ao percentual de vídeos no qual cada código ocorreu.

Tabela 1 – Codificação dos comentários

Categoria

Códigos atribuídos

Ocorrência

Adoção Clássica

Desejo de ter um(a) filho(a)

55,6%

Sorte da criança

27,8%

Solução de dificuldades de fertilidade

22,2%

Adoção como destino

22,2%

Adoção como caridade/ato de amor

16,7%

Completar um casamento

11,1%

Deixar um legado

5,6%

Presente para a família

5,6%

Adoção Moderna

Proteção/direito

50%

Disponibilidade de afeto

44,4%

Escolha da criança

33,3%

Crítica ao preconceito

27,8%

Preparação para a família

16,7%

Preocupação com adoções especiais

16,7%

Não separação dos irmãos

11,1%

Fonte: o autor.

Identificou-se, com isso, a predominância da visão clássica da adoção, assumindo esse processo como uma ferramenta de sanar necessidades de uma família. Por outro lado, observou-se significativos posicionamentos corroborando uma visão moderna da adoção, entendendo esse processo como um direito que visa garantir proteção a uma criança ou adolescente em vulnerabilidade.

Foi interessante observar que, em muitos casos, os posicionamentos associados à adoção clássica e moderna estavam sobrepostos ou próximos, por vezes narrados pela mesma pessoa. Ou seja, não é possível afirmar que a sociedade reproduz apenas uma visão moderna da adoção, mas também é falso afirmar que a forma como os participantes concebem essa prática desconsidera por completo os interesses das crianças.

5 – Extra: gerando relatórios e difundindo os conteúdos

No menu de anotações, acessei a opção “Grupo de documentos & Anotações de conjuntos de documentos” para organizar o banco de dados e apresentar ao periódico. Ao importar vídeos do Youtube, o MAXQDA organiza as principais informações como: título, autoria, resumo, link, dentre outras. Essas anotações ficam como anotações de grupos de documentos e ao exportar, você terá um arquivo em .docx com essas informações sistematizadas.

Janela de administração de anotaçõesFigura 11 – Janela de administração de anotações (Fonte: o autor, extraído do MAXQDA (VERBI Software, 2019))

Sobre o Autor

Pablo JacintoPablo Mateus dos Santos Jacinto É MAXQDA trainer e atualmente doutorando em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia, Brasil. Defensor dos direitos da criança e do adolescente, tem realizado pesquisas sobre narrativas e políticas públicas sobre adoção e família.

 

Referências

Jacinto, P. M. dos S., & Dazzani, M. V. M. (2020). Acolhimento institucional e desinstitucionalização: uma revisão integrativa de literatura em psicologia (Institutional sheltering and deinstitutionalization: an integrative review in psychology). Emancipação, 20, 1-15. https://doi.org/10.5212/Emancipacao.v.20.2016477.026

Kozinets, R. V. (2014). Netnografia: realizando pesquisa etnográfica online. Porto Alegre: Penso.

Nakamura, Carlos Renato. (2019). Criança e adolescente: sujeito ou objeto da adoção? Reflexões sobre menorismo e proteção integral. Serviço Social & Sociedade, (134), 179-197. https://doi.org/10.1590/0101-6628.172

VERBI Software. (2019). MAXQDA 2020 [computer software]. Berlin, Germany: VERBI Software. Available from maxqda.com.

MAXQDA Newsletter

Our research and analysis tips, straight to your inbox.