Research Blog

MAXQDA Website

O recurso a MAXQDA para uma análise qualitativa e quantitativa de dados

A utilização de softwares de análise de dados em qualquer investigação é, indubitavelmente, uma ferramenta de trabalho imprescindível, a par do processo habitual de revisão bibliográfica que não só sustenta a razão de ser da investigação, como também o seu marco teórico. Este artigo descreve, assim, o processo de recolha e análise de dados levado a cabo durante a elaboração da minha tese de doutoramento com recurso ao software MAXQDA, versão 2020.

A tese em causa teve como objeto de estudo a utilização das fontes de informação na prática de Jornalismo Cultural, para dar a conhecer não só a realidade desta forma de jornalismo em Portugal, como também mostrar a relação que os jornalistas que produzem informação de carácter cultural mantêm com as fontes de informação, além de dar a conhecer a forma como estas influenciam a produção da secção da cultura em dois jornais portugueses de referência – Diário de Notícias (DN) e Público.

Na parte prática do trabalho existiu uma escolha do estudo de caso como método de análise e, portanto, o MAXQDA afigurou-se, não só, a opção mais ajustada à análise, mas também provou ser uma ferramenta valiosa para o suporte a uma investigação jornalística de carácter sociológico. Através desta aplicação, foi possível quer o processamento quantitativo dos dados, quer a leitura aprofundada dos mesmos e sua interpretação para garantir uma dimensão crítica da análise. Pela utilização do MAXQDA, foi facilitada a análise exaustiva e sistemática de todos os dados recolhidos.

Da transposição da grelha de análise à implementação

Tal como foi referido acima, foram selecionados dois jornais portugueses de referência, para analisar a secção cultural de ambos. A amostragem incluiu 28 edições, sendo extraídas 81 notícias (N=81), notícias essas entretanto integradas em MAXQDA. Cada notícia poderia conter uma ou mais páginas. Foi requerida uma curadoria preliminar dos dados a tratar, depois de analisados todos os procedimentos e melhores práticas requeridos para esse efeito (Corti et al., 2014). Cada notícia foi extraída e gravada em arquivos individuais em formato Portable Document Format (“.PDF”), preservando-se a paginação e demais características, incluindo o Reconhecimento Ótico de Caracteres (ROC) para facilitar a leitura e codificação em MAXQDA.

A figura seguinte corresponde ao exemplo de uma paginação da versão digital de uma notícia:

Figura 1: Notícia sobre o Globo de OuroFigura 1: Notícia sobre o Globo de Ouro

A imagem abaixo representa os lotes de ficheiros gerados, já com a necessária catalogação tendo em vista a Integração em MAXQDA:

Figura 2: Ficheiros catalogadosFigura 2: Ficheiros catalogados

A ordenação foi realizada por forma a facilitar o seu tratamento posterior. As notícias foram analisadas de acordo com os seguintes parâmetros:

  • Data de publicação e número de página – para identificação e localização temporal – informação carregada diretamente no nome dos documentos analisados;
  • Número de notícias na secção – comparar a quantidade/ variedade da produção noticiosa; quem escreve mais notícias;
  • Título da notícia: para sua identificação unívoca;
  • Tema da notícia: música, literatura, cinema, outras artes.
  • Género: notícia, crónica, artigo de opinião, entre vários outros.
  • Área geográfica a que se refere o artigo, concretamente se a maioria dos eventos noticiados ocorre nas principais cidades portuguesas (âmbito nacional), ou se referem a eventos internacionais;
  • Assinatura da peça – quem escreve, normalmente, nesta secção? A maioria das peças está assinada? As fontes utilizadas são quase sempre as mesmas?
  • Referência temporal do conteúdo: atualidade/ acontecimento passado/ acontecimento futuro (por acontecer);

Algumas das funcionalidades existentes no programa são especialmente úteis para este tipo de análise, depois de devidamente preparados/ajustados os dados. A grelha de análise foi, dessa forma, transposta para o programa utilizando as “Variáveis de Documento” e o “Sistema de Códigos”, sendo depois possível a extração/importação dos dados em formato tabulado para se completar qualquer ajuste:

Figura 3: Variáveis de DocumentoFigura 3: Variáveis de Documento

No ficheiro de projeto MAXQDA 2020 (“.mx20”) foi organizada toda a informação e carregados todos os ficheiros PDF, assim como documentos supletivos para apoiar todo o processo de análise. Este programa revelou-se muito indicado para tarefas de análise de imprensa, por permitir a abertura direta de arquivos PDF, assim como a execução de operações diretamente sobre estes arquivos, seja pesquisa avançada, seja codificação (Kuckartz, 2014; Kuckartz & Rädiker, 2019). O “Visualizador de Documentos”, que tem um funcionamento em tudo semelhante a um navegador da Internet ou leitor de PDF, garante um acesso facilitado ao conjunto de dados:

Figura 4: Visualizador de DocumentosFigura 4: Visualizador de Documentos

Na “Lista de Documentos”, foram organizados todos os documentos (i.e., ficheiros) a analisar já depois de devidamente processados e renomeados, organizados em pastas, importantes para o processo de tratamento dos dados, já que permitem pré-determinar critérios de análise (e.g. comparação entre grupos de documentos).

Na “Lista de Códigos”, foi possível uma codificação livre dos dados, assente na sua interpretação e na leitura aprofundada. Aqui é possível codificar entradas textuais e depois migrar para outros formatos – foi o caso do título das notícias, que mereceram uma atenção especial:

Figura 5: Lista de CódigosFigura 5: Lista de Códigos

Estes títulos ficaram depois disponíveis em formato tabulado. Esta é aliás uma regra do programa, que permite, quase sempre, a compilação dos resultados em tabelas, algo especialmente útil quando estamos perante grandes conjuntos de dados:

Figura 6: Resultados em tabelasFigura 6: Resultados em tabelas

Já as “Variáveis de Documento”, tal como já referido, permitiram a construção de um sistema de catalogação formal do repositório dos dados em consonância com os critérios de análise definidos para este trabalho. A Lista das Variáveis gerada é apresentada na figura e inclui variáveis de sistema, que surgem assinaladas a vermelho:

Figura 7: Variáveis de documentoFigura 7: Variáveis de documento

A partir da ferramenta atrás apresentada, é inserida toda a informação da grelha que não está sujeita a alteração subsequente (e.g. data, versão, autoria, fonte de informação). Tal é completado através de um “Editor de Dados”, em que cada linha corresponde a um documento e que permite que valores das células possam ser revistos ou atualizados em qualquer momento, assim como a integração de dados provindos de outras aplicações. Essa foi a regra que presidiu à distribuição de informação no programa, tal como demonstrado na figura seguinte, que incluiu a grelha na sua disposição final. As variáveis correspondem a critérios de análise e facilitam uma análise mais fina dos documentos:

Figura 8: Editor de DadosFigura 8: Editor de Dados

Resultados

Em MAXQDA, foram, então, asseguradas as operações de análise qualitativa através da codificação manual dos dados, assim como o seu processamento quantitativo, que incluiu a obtenção de estatísticas descritivas e a obtenção de diagramas e representações gráficas de resultados, tal como ilustrado nos exemplos seguintes:

Figura 9: ResultadosFigura 9: Resultados

Figura 10: Diagrama com ResultadosFigura 10: Diagrama com Resultados

Esta integração é especialmente importante dado que facilitou o trabalho de análise.  Permite o estabelecimento de questões muito diferentes aos dados, em qualquer momento, mesmo quando se parte de informação rica, não estruturada. Na prática, o MAXQDA opera como uma base de dados, permitindo a realização de consultas avançadas (i.e. consultas simples e complexas) e pesquisas avançadas ao conjunto de dados (e.g. pesquisa por termos-chave, codificação automática). Tal permite a implementação das questões de investigação e o teste das hipóteses com recurso facilitado aos dados, inclusive com recurso a operadores lógicos e operações sobre conjuntos (e.g. interseção, reunião). Essa foi, como tal, a estratégia de análise e de obtenção de evidencias empíricas a partir dos dados considerados. Este trabalho colocou em evidência a importância que a imprensa tradicional assume para a tarefa de correta divulgação do setor cultural português e da disseminação de produções culturais estrangeiras junto de um público alargado.

Figura 11: Nuvem de palavrasFigura 11: Nuvem de palavras

Sobre a Autora

Maria FreitasMaria Freitas realizou o seu trabalho de doutoramento na Faculdade de Ciências da Comunicação, em Santiago de Compostela, Espanha. A tese intitula-se “A Utilização de fontes jornalísticas na produção de jornalismo cultural”. A investigação recorreu ao software MAXQDA para análise quantitativa e qualitativa da secção cultural de dois jornais portugueses de referência. Trabalha, desde há vários anos, como gestora de comunicação em empresas de diferentes setores de atividade. O trabalho de supervisão técnica e implementação esteve a cargo de Francisco Freitas, irmão da autora e utilizador avançado de MAXQDA.

MAXQDA Newsletter

Our research and analysis tips, straight to your inbox.